NIC - Núcleo de Planejamento Estratégico

Coordenador:
Aino Victor Avila Jacques
O objetivo do núcleo de tecnologia é manter um canal de comunicação com os principais centros de pesquisa e experimentação em atividade no Rio grande do Sul, geradores de tecnologias na área de ciências agrárias.


Telefone: (51) 3331.0903 / 9967.7208
Email: ainovic@terra.com.br
O objetivo do núcleo de tecnologia é manter um canal de comunicação com os principais centros de pesquisa e experimentação em atividade no Rio grande do Sul, geradores de tecnologias na área de ciências agrárias. Inclui Universidades, Centros da EMBRAPA, FEPAGRO, Centros de Pesquisa ligados às Cooperativas e às Empresas Privadas, Fundações de Pesquisa e outros. Também um relacionamento mais efetivo com as entidades e agencias responsáveis pela difusão e transferência de tecnologia para o meio rural.

Num primeiro momento, se pretende acompanhar os importantes projetos em andamento no Estado, em especial, aqueles cujas investigações teriam o maior impacto para o desenvolvimento da agricultura. Tomar conhecimento dos resultados de pesquisa e experimentação e ao mesmo tempo identificar os problemas que impedem ou dificultam a transferência de tais resultados para o setor produtivo. Inicialmente foram eleitos, os seguintes assuntos: Melhoramento e Manejo do Campo Nativo; Integração de Sistemas Produtivos (agrosilvopastoris); Agropecuária de Baixo Carbono. O foco nos três assuntos citados não exclui a atenção com outros assuntos relevantes que, sem dúvida, serão considerados em outras oportunidades.

Dicas e informações úteis

Manejo e melhoramento do campo nativo
• O manejo e melhoramento do campo nativo é uma forma de aumentar a renda do produtor rural e mantê-lo na atividade.

• O produtor rural tem sido o grande zelador do ecossistema pastagens naturais.

• A conservação dos recursos naturais passa pela conscientização do produtor e o reconhecimento do seu trabalho pelo poder público.

• O RS possui cerca de 450 espécies de gramíneas e cerca de 200 espécies de leguminosas nativas. Material cobiçado por outros países mais desenvolvidos.

• Entenda-se por melhoramento do campo nativo qualquer prática que resulte em aumento da produtividade pecuária sem danos ao ambiente natural.

• Existem práticas de baixo custo ou custo zero como ajuste de carga e diferimento e práticas que implicam em algum desembolso, menor ou maior, como roçada, aplicação de calcário e adubo, e introdução de espécies exóticas – de estação fria e de estação quente.

• A médio e longo prazo, a prática de roçadas duplica a produção de matéria seca da forragem verde da pastagem nativa.

• Dados de pesquisa mostram que é possível aumentar em algumas vezes a produtividade pecuária com o melhoramento do campo nativo, passando da média do Estado de cerca de 70 kg/hectare/ano para mais de 1000 kg/hectare/ano de peso vivo. Dependendo do grau de intervenção tecnológica e do nível de desembolso.

• Em São Francisco de Paula tem sido obtido cerca de 400 kg/hectare/ano de peso vivo em comparação com a média do município que é de 30 kg/hectare/ano. A produtividade em kg de peso vivo/hectare/ano obtida com melhoramento do campo nativo em 16 hectares foi semelhante a aquela obtida com 206 hectares de campo nativo não melhorado (Rel. EMATER/1999 e 2005).

Integração de sistemas produtivos - Lavoura e Pecuária
• Calcário atinge profundidade duas vezes maior em condições de pastejo quando comparação com a situação sem pastejo.

• O efeito positivo do pastejo também se reflete na melhoria das condições físicas, químicas e biológica do solo.

• Para produzir 534 kg de peso vivo/ha: são retirados 13,5 Kg de Nitrogênio; 3,6 kg de Fósforo; e 0,7 Kg de potássio. Para produzir 1.775 kg/ha de Soja: são retirados 105 kg de Nitrogênio; 9,8 kg de Fósforo; e 33,4 kg de Potássio.

• Soja deixa pouco adubo residual para a pastagem de inverno.

• Soja é deficitária em Nitrogênio e o déficit passa para a Aveia/Azevém.

• A adubação deve ser feita na pastagem que dará melhores resultados.

• Com plantio direto, dá para pensar em adubação sistêmica; No caso da soja, diminui as operações em 30 a 40%.

• A exploração com gado de corte no inverno não prejudica a produção de soja e duplica a renda anual do produtor, desde que a pastagem seja manejada de forma adequada;

• A altura mínima do pasto (Aveia/Azevém) para entrada dos animais deverá ser de 15-20 cm de altura;

• No manejo adequado da pastagem de Aveia/Azevém, a altura do pasto deve ser mantida em torno de 20 cm de altura. Esse manejo resulta no maior rendimento econômico - com a soma do resultado da pecuária no período frio com o resultado da soja no período quente.

Sistema Silvipastorís
• Silvicultura deve ser entendida e explorada num contexto ecológico, social e econômico.

• O sistema deve fazer parte das atividades rurais, harmonizando com outras atividades e respeitando a capacidade de uso dos solos disponíveis.

• Quando bem planejado, o cultivo de essências florestais pode representar benefícios do ponto de vista ecológico e econômico para as propriedades rurais;

• É conhecida e aceita a idéia de que o plantio de essências exóticas como eucalipto e pinus evita e diminui o corte de essências nativas;

• Sistemas silvipastorís podem integrar-se com outras atividades rurais com benefícios mútuos.

• Nos sistemas silvipastorís, além do rendimento econômico obtido com a madeira, existe também receita por conta da produção de carne com resultados muito positivos.

• A exploração pecuária nos ambientes silvícolas é também uma maneira de evitar o excessivo acúmulo de biomassa no extrato inferior das florestas, evitando incêndios.

• Também a exploração silvícola permite associação com a apicultura e outras atividades mediante planejamento prévio.

• Essencias florestais servem de quebra ventos, abrigo e de sombra para os animais. A sombra de uma arvoré reduz em 4 graus a temperatura do ambiente.

• As arvores reciclam nutrientes buscando-os nas camadas mais profundas do solo, e os disponibilizam através da matéria orgânica na decomposição das folhas.

• O capim anonni não resiste em ambiente sombreado, ao contrário de muitas gramíneas que se beneficiam do sombreamento.

Agropecuária de Baixo Carbono
• Sucessões de Culturas Agrícolas NÃO conseguem manter o nível de carbono no solo, só com pastagens no sistema isso é possível.

• A atividade silvícola poderá constituir-se em mais uma forma de seqüestro de carbono e de diminuição do aquecimento global.

• O eucalipto tem em sua composição 50% de carbono, 15% de minerais e 35% de água.

• O gás metano emitido por meio do processo digestivo dos ruminantes, tem seu impacto diminuído quando se utiliza o sistema agrosilvipastoril.

• Áreas de pastagem de baixa qualidade ou degradas podem emitir uma quantidade significativa de CO².
FEDERACITE - Federação dos Clubes de Integração e Troca de Experiências
Parque Estadual de Exposições Assis Brasil
BR 116 - KM 13
Esteio - Rio Grande do Sul
(51) 3473-4981
federacite@federacite.com.br

FEDERACITE - Todos os direitos reservados - 2012